Desde 2020, mesmo com os efeitos econômicos da pandemia, seis empresas levantaram investimentos e passaram a ser avaliadas em mais de US$ 1 bilhão

Por Agência O Globo

Mesmo com os abalos econômicos provocados pela pandemia, as startups brasileiras vivem um momento bastante promissor. Desde o ano passado, uma série de negócios de base tecnológica receberam aportes de investidores e conseguiram se tornar “unicórnios”, como são chamadas as startups avaliadas em mais de US$ 1 bilhão, cerca de R$ 5,2 bilhões.

É um sinal de que o ecossistema empreendedor no país não se rendeu à crise e segue se desenvolvendo, ainda que muitos pitchs e reuniões com investidores tenham trocado salas de escritório pelas telas de videoconferências.

Só em 2020, foram três unicórnios: Loft, Vtex e Creditas. Este ano mais duas se graduaram: MadeiraMadeira e Mercado Bitcoin.

Agora, o mais novo integrante desse time de elite de negócios de base tecnológica é o Unico, startup brasileira especializada em autenticação via biometria facial que costumava se chamar Acesso Digital.

Conforme mostrou a coluna Capital, do GLOBO, a empresa levantou R$ 625 milhões junto à General Atlantic e ao SoftBank. Os fundos já eram investidores da companhia, e o novo aporte avalia a Unico em US$ 1 bilhão.

A empresa não perdeu tempo e até incorporou a palavra “unicórnio” ao seu nome no logotipo oficial para comemorar a transformação.

Mais de uma dezena em 3 anos

O Brasil já tem mais de uma dezena de outros “unicórnios” e nem parece que o primeiro foi há bem pouco tempo. Em 2018, o aplicativo de mobilidade 99 se tornou o primeiro a ser avaliado em mais de US$ 1 bilhão.

De lá pra cá, vieram Nubank, iFood, Stone, Loggi, Gympass, QuintoAndar e Ebanx. Algumas dessas empresas já realizaram, inclusive, sua primeira oferta pública de ações.

E os outros unicórnios de 2021?

Além da Unico, pelo menos outras duas startups se tornaram “unicórnios” este ano. Veja quais são a seguir:

MadeiraMadeira

A primeira do ano a integrar o grupo de unicórnios do ano foi a curitibana MadeiraMadeira. Após receber um investimento de US$ 190 milhões, a empresa atingiu valor de mercado de US$ 1 bilhão.

O aporte foi liderado pelo fundo Softbank, além dos gestores Dynamo, Flybridge e Monashees.

Mercado Bitcoin

A segunda startup a se tornar unicórnio no ano foi a da holding 2TM, o Mercado Bitcoin. É o primeiro unicórnio do segmento de criptoativos no Brasil, com valor de mercado avaliado em US$ 2,1 bilhões.

O feito ocorreu após a empresa receber um investimento de US$ 200 milhões do Softbank.

Fonte: PEGN

O post Imunes à crise, ‘unicórnios’ continuam surgindo no Brasil apareceu primeiro em OasisLab.

close-link