Segundo ranking da fintech alemã Mambu, investimentos também aumentaram, com o número de unicórnios de finanças ultrapassando 100 empresas em abril

Por Naiara Bertão

De acordo com o relatório “2021 Global Fintech Rankings”, produzido pela Findexable em parceria com a Mambu, fintech alemã de soluções bancárias na nuvem, o ano de 2020 foi de grande expansão para as startups que atuam no setor bancário no mundo inteiro, mesmo com a pandemia da covid-19.

Neste contexto, o Brasil se consolidou ainda mais como um dos grandes ecossistemas de fintechs mundialmente: o país alcançou a primeira posição da América Latina, seguido por Uruguai, México, Colômbia, Chile, Argentina e Peru, e subiu cinco posições no ranking global, alcançando a 14ª colocação. O índice é liderado por Estados Unidos, Reino Unido, Israel, Singapura e Suíça.

A cidade de São Paulo foi uma das grandes responsáveis pelo resultado brasileiro, subindo uma posição e se tornando o quarto maior ecossistema de fintechs do mundo no comparativo com outras cidades, atrás apenas de São Francisco (EUA), Londres (Inglaterra) e Nova York (EUA), e ficando à frente de potências como Tel Aviv (Israel), Berlim (Alemanha), Boston (EUA) e Los Angeles (EUA).

Na América Latina, a capital paulista está na frente de outras grandes capitais, como Montevideo (Uruguai), Cidade do México (México), Bogotá (Colômbia), Buenos Aires (Argentina) e Santiago (Chile).

Outras seis cidades brasileiras figuram no top 20 regional: Belo Horizonte (7ª colocada), Rio de Janeiro (10ª), Curitiba (11ª), Porto Alegre (12ª), Florianópolis (16ª) e Brasília (17ª).

Expansão geográfica

O relatório deste ano mostra ainda que, embora os principais centros de tecnologia e finanças permaneçam sendo Londres, Nova York e São Francisco, as fintechs estão geograficamente mais diversificadas.

Vários países africanos estrearam na lista, como Seychelles, Ruanda, Tunísia, Zimbábue e Somália, e cidades como Riad e Tel Aviv subiram no ranking, com esta última figurando entre as dez principais cidades do mundo para crescimento de fintechs. Mais de 20% dos 83 países presentes listados estão ali pela primeira vez.

Investimentos

O relatório também traz que o setor de tecnologia para finanças recebeu investimentos significativos em 2020. O número de fintechs que são unicórnios (startups privadas com uma avaliação de mais de US$ 1 bilhão) aumentou de 61 em abril de 2020 para 108 em abril de 2021.

No mesmo período, o montante investido nessas empresas subiu de US$ 199 bilhões para US$ 440 bilhões, valor que corresponde a 20% dos investimentos em unicórnios do setor de tecnologia.

De acordo com Sergio Constantini, diretor geral da Mambu no Brasil, “as fintechs são empresas de tomada de decisão ágil, que atendem necessidades muito variadas de clientes do setor financeiro e estão revolucionando esses serviços, que se tornam cada vez mais fáceis, rápidos e simples”.

Fonte: Valor Invest

O post Brasil é o maior ecossistema de fintechs da América Latina e São Paulo a 4ª cidade no mundo apareceu primeiro em OasisLab.

close-link